Arquivo mensal: agosto 2008

Universidade de São Paulo recruta diabéticos tipo 2 para estudo

Pesquisadores da Universidade de São Paulo conduzem um estudo sobre efeitos do exercício físico e suplementação de creatina  em diabéticos do tipo 2.

O estudo está recrutando voluntários: pessoas com diabetes do tipo 2, acima do peso, com mais de 40 anos e não usuários de insulina serão selecionados. “Os pacientes realizarão alguns exames e passarão por um programa de exercícios físicos ao longo de 3 meses, sob supervisão de professores de Educação Física”, destaca o resposável pela pesquisa, Bruno Gualano.

O voluntário deverá ter disponibilidade para frequentar as aulas de atividade física 3 vezes por semana (manhã, tarde ou noite)  que serão realizadas no Hospital das Clínicas durante 3 meses.

O projeto será acompanhado por médicos do Hospital  das Clínicas e nutricionistas da Faculdade de Saúde Pública, pesquisadores da Educação Física, Saúde Pública e  Faculdade de Medicina (Disciplinas de Nefrologia, Reumatologia e  Endocrinologia, sob responsabilidade da Professora Elisabeth Rossi).

Após a  pesquisa, os pacientes receberão orientações nutricionais e um programa de atividade física personalizados.

Os interessados devem ligar para 3069 8022 ou escrever para gualano@usp.br.

Cristiana quer se corresponder com outras mães que tenham filhos diabéticos

Eu, Cristiana, tenho 31 anos e sou mãe de Gabriela que tem 3 anos e recentemente recebemos o diagnóstico da doença.

Em nove de janeiro de 2008, Gabriela foi internada no hospital infantil São Camilo, em BH, onde ficou por cinco dias no CTI e recebeu alta (do hospital) após sete dias de internação, saindo do hospital com o diagnostico de diabetes tipo 1.

Como mãe senti que o meu mundo estava se acabando, um enorme vazio e medo tomaram conta de mim, pensei que não iria dar conta de cuidar da minha filha. Ver minha pequena depende de uma medicação, sendo furada sucessivamente por agulhas várias vezes ao dia e tendo que lidar com uma alimentação rígida e controlada e ainda ter que explicar para uma criança de 3 anos o por quê que de repente tudo isso. Aconteceu assim…. Foi e ainda esta sendo muito difícil!

Foi uma mudança radical em nosso lar, em nossa família e desde então estamos tentando lidar com a doença e fazer com que a Gabriela leve uma vida o mais normal dentro do possível. O que mais nos entristece é que após sete meses que convivemos com o diabetes ainda não conseguimos um controle sobre ele. As glicemias da Gabriela ainda oscilam muito, temos muitas dúvidas quanto aos alimentos, aos médicos e tipos de insulinas, e os medos persistem.

Bom gostaria muitos de trocar experiências com outras mães que vivenciam os mesmos problemas que os meus e até mesmo aquelas que já passaram por eles e possam me ajudar de alguma forma. Esse é um apelo de uma mãe que pede ajuda e vive a diabetes como se fosse uma diabética.

Obrigada pelo espaço!

***

Minha resposta:

Cristiana,
 
Muito obrigada pelo seu depoimento. Posso ajudar, destacando no blog esta história. Se vc quiser deixar um email que eu possa divulgar. Existem outras pessoas nessa situação que devem querer compartilhar e dividir essa experiência. 

Sugiro o site da ADJ – Associação Nacional de Diabetes Juvenil – www.adj.org.br. Lá eles tem apoio psicológico, apoio nutricional, informações importantes, atividades para  crianças, adolescentes e jovens.

 
Abraço,
Luciana.

Blogs e diabetes… diabetes e blogs…

Saiu uma matéria no portal da Sociedade Brasileira de Diabetes sobre blogs de diabéticos. Quando eu criei este blog aqui não havia muita coisa nesse estilo. Tinha o do Dênis, que tem mais uma característica de site mesmo, mas bem feito, com informações relevantes. Só este ano, ele criou o blog. Depois, veio o Vivendo, do Marcelo, que compila as principais informações sobre o tema. Uma muito boa iniciativa. E é interessante porque parte de uma pessoa não diabética.

O Viver com Diabetes foi pioneiro. Como diário mesmo, ainda mais. Orgulho-me deste blog, como uma mãe que se orgulha do filho. Nunca me esqueço de que o Viver ficou em sexto lugar no concurso Cokering, da Coca-Cola, em 2006, cujo o tema era “Viva o que é bom”. Você vê como são as coisas? Um blog sobre a experiência de quem vive com uma doença crônica ganhar um prêmio assim! Foi um incentivo ainda maior para mim.

Este aqui é um espaço para compartilhar experiências, com textos escritos por mim. Recebo depoimentos, que publico. Histórias são sempre bem vindas, sejam elas de aceitação sejam de não-aceitação, sejam elas superação sejam de revolta. O espaço está sempre aberto para cada um de vocês.

Quanto aos outros blogs, fico feliz que as pessoas comecem a escrever cada vez mais sobre o diabetes. Quanto mais gente falando do assunto, melhor, porque a informação se espalha. E eu sempre digo que: informação cura.

Marcelo, Dênis, Rafael, vamos lá! Temos muito trabalho pela frente.

Confesso, não estou me cuidando…

Quando criei este blog, disse que contaria para vocês quando pisasse na bola, quando desse um escorregão, pois tenho de confessar: nos últimos dez dias, não me cuidei como deveria. Tenho fracionado pouco a alimentação, não tenho ido à academia, ando meio workholic, estressada, sensível.  ‘

E é engraçado que a gente sabe que este tipo de atitude só faz mal, mas repetimos este comportamento, como se a doença desse uma folga, mas ela não dá, ela vai te minando aos poucos, sem que você se dê conta. É muita irreponsabilidade da nossa parte. Né, não?

Escrevo isso assitindo à conquista do ouro, pelo Cesar Ciello, na natação. Se pararmos para pensar, o que esses caras fazem? Do que é feita a conquista de um cara assim? O que o leva a ser um vencedor? Oras, é a disciplina, o treinamento, o condicionamento, o sacrifício. O que nos difere deles? Por que as nossas conquistas teriam de ser mais fáceis? Por que teríamos como medalha uma saúde melhor sem sacrifício? Por que não teríamos de ter disciplina para comer fracionado, para encaixar a atividade física no nosso cotiano, para ter uma alimentação mais regrada?

A vida é assim, as nossas conquistas dependem de nós. São resultado da nossa atitude. Da nossa vontade de mudar, de verdade, mais do que isso, da nossa intenção.

Você é diabética e tem o sonho de engravidar?

A Maria Cecília está super animada para se corresponder com outras mulheres na mesma situação que ela: diabéticas que querem ficar grávidas, ou já estão. Trocar idéias, experiência. Não é uma boa idéia?

Olha aí o contato dela: sissamp@uol.com.br

Ah! Cecília, e aquela dica que você me pediu, estou verificando referência.

Grande abraço.