Arquivo mensal: novembro 2011

De azul, de alma leve. Uma causa chamada diabetes

Oi, pessoal! O mês de novembro está chegando ao fim e hoje é a última sexta-feira do mês. A última Blue Friday de 2011!

Pensei ontem na roupinha que ia colocar hoje. Caprichei também no meu filhote, que saiu todo azul. E fiquei surpresa ao chegar ao trabalho e encontrar a minha colega Juliana vestida também de azul. E foi a segunda vez que ela veio com a cor numa sexta-feira de novembro.

Fico muito feliz em sensibilizar as pessoas, mesmo que a maioria esqueça e não perceba a importância, sempre conseguimos tocar alguém. E mesmo quem não veste o azul, quando bate o olho em mim, lembra: “puxa, hoje é dia de azul”. E este lembrar às vezes vem acompanhado da lembrança da necessidade de se fazer um exame, ou de marcar uma consulta para a mãe, para o pai, para o marido, para o filho, para si mesmo. Vem acompanhado muitas vezes de perguntas: “quais são os sintomos, como descobriu, com que idade”. E isso traz um alerta interno: “preciso tomar cuidado”.

Juliana (não diabética) e eu

Estava lendo, ontem, o blog da Kath Paloma, o Diabetes & Você, e ela diz que a família não aprova muito essa coisa do blog, do envolvimento dela em eventos ligados ao diabetes… que consideram um certo “culto à doença”. Mas a Kath enfrenta essa resistência e persiste. E ao persistir, ela tem grandes chances de, aos poucos, mudar essa mentalidade, mudar esse pensamento.

Estar envolvido com o diabetes, de certa forma, é envolver-se com você mesmo, com os cuidados que devemos seguir, é estar atento aos sinais do corpo, é querer viver bem. Isso é bem diferente de um culto à doença. O que a Kath busca, ao meu ver, é um culto ao “viver”. E o seu viver passa pelo diabetes. Não há como fugir disso. E ela abraçou esse “viver com diabetes” como uma causa. Uma causa que pode fazer diferença para muita gente.

Fiquei admirada com sua genial ideia de criar um Museu do Diabetes. Ela é museóloga e está tentando harmonizar o que faz profissionalmente com a sua condição de diabética. Mais que isso, ela está tentando romper a barreira do preconceito que ainda ronda o diabetes e tantas outras doenças.

Uma sexta-feira azul, de alma leve, para todos!

Última sexta-feira azul do mês

Como vocês sabem, novembro é o mês do Dia Mundial do Diabetes. E, este ano, por sugestão da Nicole Lagonegro, do Doce Vittoria e o Diabetes, os blogs brasileiros aderiram a um movimento internacional muito bacana chamado Blue Fridays. Eu entrei de cabeça, ou melhor, de roupa. Escolhi com todo carinho uma roupa azul por sexta-feira de novembro.

Ações como essa são simbólicas, mas tem um significado todo especial. Faz você se sentir parte de um grupo com coisas em comum. Tudo bem que “essa nossa coisa em comum” não é das melhores. Somos um pouco mais doces do que gostaríamos. Mas nos unimos em torno de uma causa, e podemos levar mais em mais informações, e a nossa vivência a quem passa pela mesma situação. Palavras tem um poder incrível. Ações, a princípio singelas, como essa das Blue Fridays, trazem um resultado positivo.

Como bem disse a Silvia Onofre, do João Pedro e o Diabetes, eu também tenho me sentido envolvida por este círculo azul chamado amizade. E que amanhã seja um dia azul para todos nós. E o que fica disso é muito mais do que um registro vestindo uma peça azul. Fica todo o nosso esforço por uma vida possível e feliz, apesar das dificuldades.

Encontro Blogueiros – Diabetes

Meninas Super Poderosas (da esq. para dir.: Nicole, Dani, Luana, Kath e eu)

Tive uma manhã bastante agradável. Conheci um bocado de gente boa que só conhecia pelo blog ou pelo Facebook. Participei de um encontro de blogueiros sobre diabetes promovido pela BD – Becton, Dickinson and Company, com a presença da médica endocrinologista Mariana Porciúncula, da Unifesp – Universidade Federal de São Paulo e com a enfermeira Jacqueline Aguiar.

Aprovei a iniciativa. As empresas deveriam investir mais nesse tipo de ação. E fica uma sugestão: em nossos blogs também!

A ideia da empresa era que tirássemos dúvidas sobre a doença, nossas ou de quem frequenta os nossos blogs. Foi legal porque muitas vezes pensamos que já conhecemos

Olha as nossas carinhas! O que será que a Luana estava contando?

tudo sobre a doença, ainda mais alguém como eu, que já tem diabetes há oito anos, e que é jornalista – curiosa por natureza.

Achei interessante a explicação da Jacqueline sobre as agulhas. Ela disse que a maioria das pessoas pode utilizar a agulha de 4 mm, já que a camada de pele até o tecido subcutâneo não ultrapassa 3 mm em grande parte da população. Ela também deu a dica de aguardar um segundo por unidade de insulina na hora da aplicação. Por exemplo: se você vai tomar 25 unidades de insulina, aguarde 25 segundo com a agulha injetada. Outra dica: sempre eliminar uma unidade antes da aplicação.

Jacqueline

E eu que achava que todo mundo sabia da existência da caneta para aplicação de insulina fiquei admirada em saber que tem gente que só fica sabendo depois de dois, três anos… E tem quem opte por continuar o tratamento com seringa…

Um outro tema abordado foi gravidez e diabetes, já que é a especialidade da Dra. Mariana e uma das participantes, a Kath Paloma, do Diabetes & Você, estava bastante interessada no assunto. “A gravidez para uma pessoa diabética sempre começa antes dos nove meses de gestação”, explicou a Dra. Mariana. Segunda a especialista, é preciso que o diabetes esteja bem controlado e que a glicada esteja até 6,5. Durante a gravidez, ela deve se manter abaixo de 6. Ufa! Eu consegui isso durante a minha gravidez. Por isso, o planejamento é essencial.

E eu pude tirar uma dúvida que sempre me atormenta: se a sulfa é o melhor medicamento para o meu tipo de diabetes. Segundo a Dra. Mariana, o diabetes MODY responde muito bem ao tratamento com hipoglicemiante e não há porque mudar.

Também adorei a oportunidade de conhecer pessoalmente: Nicole Lagonegro, Doce Vittoria e o Diabetes; a Luana Alves, do A diabetes e eu; a Jo M. Gomes, do Diabetes & Deleites; a Kath Paloma, do Diabetes & Você. E, claro, como pude me esquecer? Dani Yumi, do Diabetes e Daí, que tanto frequentou este blog! E Silvia Onofre, do João Pedro e o Diabetes, uma simpatia!

Turma bacana

É isso! Esperamos mais ações nessa linha.

 

Batido, mas vale sempre: a união faz a força!

*As fotos são da Kath Paloma, enviadas pela Dani Yumi

É pique, é pique, é pique, é pique… Cinco anos de blog!

Há dois dias, o Viver com Diabetes apagou as velinhas de cinco anos de existência. E eu, mais ou menos nessa mesma data, completo oito anos com diabetes. De lá pra cá, muita coisa mudou, até o entendimento sobre a doença – meu e de muitas pessoas. Hoje, a busca por informação tem sido cada vez mais presente, mais constante. As pessoas resolveram falar mais, se abrir, mostrar a cara, e criar seus próprios blogs. Acho isso excelente porque ajuda a derrubar preconceitos, a mostrar que não estamos só no mundo, e que qualquer um está sujeito a disfunções como o diabetes.

Estou feliz com todo esse movimento que ajudei um pouquinho a criar. Às vezes, penso que essa exposição tem também um lado negativo. Quando vou  fazer uma entrevista de emprego, por exemplo… Mas quer saber? Se uma empresa pensa que o diabetes é um  fator de exclusão num processo seletivo, essa empresa não serve para mim. Se uma pessoa – isso nunca aconteceu, mas… vai saber… – acha que o diabetes é um fator de exclusão para uma amizade, essa pessoa também não merece estar no meu círculo de amizades. O fato é que o retorno é muito mais positivo que negativo. Foi por meio do diabetes que eu toquei algumas vidas e fui tocada. E isso me emociona à beça.

Quando disse que mudei muito desde o diagnóstico é porque consigo ver minha evolução pelos meus posts. O blog é um instrumento muito bacana de conhecer o outro e de autoconhecimento.

Depois de cinco anos, ainda estou aqui. Eu, e centenas de outros blogs.

Obrigada a todos vocês, por ser o meu combustível!

Mais uma Blue Friday!

Estou com rinosinusite e otite, mas não perdi o espírito da Sexta-feira Azul, não! Devidamente trajada – hoje, eu caprichei: casaco, camisa, sapato e óculos azuis! – sai para trabalhar. E o meu olhar está mais azul do que nunca. Olha o que eu encontrei na Pinacoteca do Estado, na exposição do artista dinamarquês Olafur Eliasson:

Semana de Alerta e Combate aos Diabetes

Atividades têm início neste final de semana

Fonte: Sociedade Brasileira de Diabetes (www.diamundialdodiabetes.org.br)

O diabetes mata uma pessoa a cada oito segundos, segundo a International Diabetes Federation – IDF. Para alertar a população sobre os riscos da doença, comemora-se, em 14 de novembro, o Dia Mundial do Diabetes. E, a partir deste 2011, a Sociedade Brasileira do Diabetes (SBD) iniciou uma nova proposta: Semana de Alerta e Combate ao Diabetes – de 7 a 14 de novembro. O objetivo é que as atividades possam se estender e repercutir durante toda semana, a fim de aproveitar todo esforço que os associados e a população realizam para o Dia Mundial.

O tema de 2011 é “Aja Pelo Diabetes. Agora.” Este é o terceiro ano da campanha “Diabetes: Educar Para Prevenir”, escolhida para o período 2009-2013. O Dia Mundial do Diabetes é divulgado em todo o mundo em mais de 160 países e territórios. No Brasil, as ações são coordenadas pela Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD).

Cada região do Brasil usa os recursos disponíveis para disseminar informações importantes para ajudar a controlar e prevenir o diabetes, além de educar a população em geral.

Os objetivos para este ano são:
– Encorajar os governos a programar e fortalecer políticas para a prevenção e controle do diabetes e suas complicações;
– Disseminar ferramentas para apoiar as iniciativas nacionais e locais para a prevenção e controle do diabetes e suas complicações;
– Explicar a importância da educação baseada em evidências na prevenção e controle do diabetes e suas complicações;
– Chamar a atenção para os sinais de alerta do diabetes e promover ações para incentivar o diagnóstico precoce;
– Aumentar a conscientização e promover ações para reduzir os principais fatores de risco para o diabetes tipo 2;
– Aumentar a conscientização e promover ações para prevenir ou retardar as complicações do diabetes.

Como Participar?
A comunidade global do diabetes, incluindo a SBD, associações e organizações de diabetes, ONGs, secretarias de saúde, sociedade civil, pacientes, população em geral e empresas têm desenvolvido uma extensa gama de atividades, adaptadas a uma variedade de grupos.

Isso inclui:
– Participação em programas de rádio e televisão;
– Promoção de eventos desportivos;
– Eventos gratuitos sobre o diabetes e suas complicações;
– Reuniões de informação pública;
– Campanhas de cartazes e folhetos;
– Workshops e exposições;
– Reportagens e artigos em jornais e revistas;
– Eventos para crianças e adolescentes;
– Iluminação de monumentos;
– Círculos azuis humanos.

As atividades já terão início neste final de semana. Confira a programação completa no site: http://www.diamundialdodiabetes.org.br